#cancerdemama            #outubrorosa


ARTIGOS


Desempenho, frequência de diarreia, produção de fezes e custos de dietas com teores crescentes de farelo de abacaxi para leitões desmamados

Autores
G.F. Ramos, C.D. S. Júnior, J.A. Oliveira, T.S. Vasconcelos, F.E.L. Budiño, U.S. Ruiz

Resumo

Esta pesquisa objetivou avaliar dietas com teores crescentes de farelo de abacaxi na alimentação de leitões desmamados. Foram utilizados 56 leitões, no intervalo de 21 a 63 dias de idade, que receberam dietas compostas principalmente por milho, farelo de soja e produtos lácteos, com adição de farelo de abacaxi em 0%, 3,4%, 6,8% e 10,2%. Foram avaliados o desempenho zootécnico; a incidência de diarreia; as excreções nas fezes, totais e por unidade de peso vivo ganho, de matérias seca (MS), mineral (MM) e orgânica (MO), nitrogênio (N) e fósforo (P); os custos relativos ao ganho de peso dos animais e os índices de eficiência econômica e de custo. As avaliações foram efetuadas dos 21 aos 35 dias; dos 21 aos 49 dias; e dos 21 aos 63 dias de idade dos leitões. Adotou-se delineamento em blocos ao acaso, de acordo com os pesos dos animais no início do experimento, com quatro tratamentos e sete repetições. Dos 21 aos 49 dias os animais submetidos às dietas com 3,4 e 6,8% de farelo de abacaxi consumiram mais ração (P<0.05) do que os alimentados com a dieta controle, e dos 21 aos 63 dias verificou-se maior ganho de peso (P<0.05) somente dos animais que receberam a dieta com 3,4% de farelo de abacaxi em relação aos leitões controle. Dos 21 aos 63 dias os animais que receberam as dietas com farelo de abacaxi apresentaram excreções de MS, MM, MO e N superiores (P<0.05) às dos animais controle. Contudo, ao se verificarem as excreções destes componentes nas fezes por unidade de peso vivo ganho neste mesmo período, foi constatado que não houve diferença (P>0.05) entre os leitões que receberam as dietas sem farelo de abacaxi e os que consumiram a dieta com 3,4% do produto. Portanto, a inclusão do farelo de abacaxi em dietas para leitões desmamados em 3,4% é viável, por não interferir negativamente nas excreções por unidade de peso vivo ganho e nos índices de custos das dietas e por proporcionar melhor ganho de peso aos leitões em relação àqueles que não consumiram farelo de abacaxi.

Palavras-chave: excreção de resíduos; fibra dietética; ganho de peso.


Fonte: Arquivo Brasileiro de Medicina Veterinária e Zootecnia, v.68, n.6, p.1505-1515, 2016.


DOI: http://dx.doi.org/10.1590/1678-4162-8422

Íntegra (PDF)

Veja todos os artigos



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir