Características físico-químicas dos méis de abelhas Apis mellifera produzidos na região do Pólo Cuesta, São Paulo, Brasil

  • E. H. Ito Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Botucatu - São Paulo
  • W. L. P. Araújo Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Botucatu - São Paulo
  • A. J. Shinohara Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Botucatu - São Paulo
  • D. C. B. Barros Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Botucatu - São Paulo
  • M. P. Camilli Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Botucatu - São Paulo
  • R. O. Orsi Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia - UNESP - Botucatu - São Paulo
Palavras-chave: apicultura, denominação de origem, mel, qualidade

Resumo

A região do Pólo Cuesta, considerada um pólo de turismo rural, é formada por diversas cidades no interior do estado de São Paulo, e possui expressividade considerável na produção de mel. Entretanto, o mel produzido pelas abelhas sofre influência direta das fontes vegetais, resultando em variações de sua qualidade. Assim, o objetivo do presente trabalho foi realizar um levantamento da qualidade do mel produzido na Região do Pólo Cuesta, proveniente de diferentes floradas (eucalipto, laranjeira e silvestre), por meio de análises físico-químicas (cinzas, pH, acidez, sólidos insolúveis, cor, presença de glicose comercial, teste de Fiehe, reação de Lund e Lugol) e teor de minerais (cálcio, cobre, enxofre, ferro, fósforo, magnésio, potássio, sódio e zinco) por meio da espectrofotometria de absorção atômica. De acordo com os resultados, o mel da região mostrou-se dentro dos parâmetros físico-químicos estabelecidos pela legislação vigente. O teor de minerais das amostras sofreu variações significativas de acordo com a origem botânica. Pode-se considerar que o mel produzido por abelhas Apis mellifera L. na região do Pólo Cuesta possui boa qualidade e pode tornar-se um produto com denominação de origem.

Referências

ALVAREZ-SUAREZ, J.M.; GIAMPIERI, F.; DAMIANI, E.; ASTOLFI, D.; FATTORINI, D.; REGOLI, F.; QUILES, J.L.; BATTINO, M. Radical-scavenging activity, protective effect against lipid peroxidation and mineral contents of monofloral Cuban honeys. Plant foods for human nutrition, v.67, p.31-38, 2012.

ALVES, A.; RAMOS, A.; GONÇALVES, M.M.; BERNARDO, M.; MENDES, B. Antioxidant activity, quality parameters and mineral content of Portuguese monofloral honeys. Journal of Food Composition and Analysis, v.30, p.130-138, 2013.

ATANASSOVA, J.; YURUKOVA, J.; LAZAROVA, M. Pollen and inorganic characteristics of Bulgarian unifloral honeys. Czech Journal of Food Sciences, v.30, p.520-526, 2012.

BELITZ, H.D.; GROSCH W.; SCHIEBERLE, P. Sugars, Sugar Alcohols and Honey. Food Chemistry, v.4, p.886-890, 2009.

BENDINI, J.N.; SOUZA, D.C. Physicochemical characterization of the bee honey originating in cashew flowering. Ciência Rural, v.2, p.565-567, 2008.

BILANDZIC, N.; DOKIC, M., SEDAK, M., KOLANOVIC, B.S.; VARENINA, I.; KONCURAT, A.; RUDAN, N. Determination of trace elements in Croatian floral honey originating from different regions. Food Chemistry, v.128, p.1160-1164, 2011.

BRASIL. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Portaria n o 685, de 27 de agosto de 1998. Regulamento técnico. Princípios gerais para o estabelecimento de níveis máximos de contaminantes químicos em alimentos. Diário Oficial da União. Brasília, DF, 24 set. 1998.

COORDENADORIA DE ASSISTÊNCIA TÉCNICA INTEGRAL (CATI). Plano regional de desenvolvimento rural sustentável 2010-2012. Conselho Regional de Desenvolvimento Rural de Botucatu, Botucatu, 2010. Disponível em: < http://www.cati.sp.gov.br/portal/> Acesso em: 27 maio. 2018.

CORTÉZ, M.E.; VIGIL, P.; MONTENEGRO, G. The medicinal value of honey: a review on its benefits to human health, with a special focus on its effects on glycemic regulation. Ciencia e Investigación Agraria, v.38, p. 303-317, 2011.

DIAS, J.S.; CAMARGO, A.C.; BARIN, C. S.; ELLENSOHN, R.M. Physicochemical Characterization of Honey Samples. UNOPAR Científica, v.8, n. 1, 2009.

DOS SANTOS, J.S.; SANTOS, N.S.; SANTOS, M.S.P.; SANTOS, S.N.; LACERDA, J.J. Honey classification from semi-arid, atlantic and transitional forest zones in Bahia, Brazil. Journal of the Brazilian Chemical Society, São Paulo, v.19, p.502-508, 2008.

GODINHO, V.P.C. et al. Composição mineral e concentração crítica de potássio em folhas de rami cultivado em solução nutritiva. Ceres, v. 42, n. 240, 2015.

GOIS, G.C.; RODRIGUES, A.E.; DE LIMA, C.A.B.; SILVA, L.T. Composição do mel de Apis mellifera: Requisitos de qualidade. Acta Veterinaria Brasilica, v.7, p.137-147, 2013.

GOMES, V.V. Avaliação da qualidade do mel comercializado no oeste do Pará, Brasil. Rev. Virtual Quim, v. 9, n. 2, 2017.

LIBERATO, M.C.T.C.; MORAIS, S.M.; MAGALHÃES, C.E.C.; MAGALHÃES, I.L.; CAVALCANTI, D.B.; SILVA, M.M.O. Physicochemical properties and mineral and protein content of honey samples from Ceará State, Northeastern Brazil. Food Science and Technology, v.33, p.38-46, 2013.

MARCHINI, L.C.; MORETI, A.C.C.C.; OTSUK, I.P. Análise de agrupamento, com base na composição físico-química, de amostras de méis produzidos por Apis mellifera L. no estado de São Paulo. Ciência e Tecnologia de Alimentos, Campinas, v. 25, p.8-17, 2005.

MBIRI, A.; ONDITI, A.; OYARO, N.; MURAGO, E. Determination of essential and heavy metals in Kenyan honey by atomic absorption and emission spectroscopy. Journal of Agriculture, Science and Technology, v.13, p.107-115, 2011.

MEDEIROS, DE SOUZA; FIGUEIREDO, M. Contaminação do mel: a importância do controle de qualidade e de boas práticas apícolas. Atas de Ciências da Saúde (ISSN 2448-3753), v. 3, n. 4, 2016.

MONDRÁGON-CORTEZ, P.; ULLOA J.A.; ROSAS-ULLOA, P.; RODRÍGUEZ-RODRÍGUEZ, R.; VÁZQUEZ, J.A.R. Physicochemical characterization of honey from the West region of México. CyTA-Journal of Food, v.11, p.7-13, 2013.

MONIRUZZAMAN, M.; CHOWDURY, MAZ.; RAHMAN, M.A.; SULAMAIN, S.A.; GAN, S.H. Determination of mineral, trace element, and pesticide levels in honey samples originating from different regions of Malaysia compared to Manuka Honey. BioMed Research International, v.2014, p.1-10, 2014.

MORO, L.; FERREIRA, C.A.; SILVA, H.D.; RUSSMANN, C.B. Exportação de nutrientes em povoamentos de Pinus taeda L. baseada em volume estimado pelo sistema SISPINUS. Floresta, Curitiba, v. 38, n.3, 2008.

MOSQUERA, M.E.L.; FABAL, A. L; VIVES, M.I. Utilización de azufre elemental como enmienda ácida en suelos para el cultivo de Brassica napus. Spanish Journal of Soil Science, v. 5, n. 2, p. 144-153, 2015.

PAIVA H.N.; JACOVINE, L.A.G.; RIBEIRO, G.T.; TRINDADE, C. Cultivo de eucalipto em propriedades rurais. Viçosa, MG: Aprenda Fácil, v.123, 2001.

PEREIRA, M.G.; LOSS, A.; BEUTLER, S.J.; TORRES, J.L.R. Carbono, matéria orgânica leve e fósforo remanescente em diferentes sistemas de manejo do solo. Pesq. Agropec. Bras, v.45, p.508-514, 2010.

PEREIRA, O.J.R.; REIS, J.M.D. Comparative study of the honey antimicrobial activity on Staphylococcus aureus. Revista Ciências em Saúde, v.2, p.117-121, 2015.

PISANI, A.; PROTANO, G.; RICCOBONO, F. Minor and trace elements in different honey types produced in Siena County (Italy). Food Chemistry, v.107, p.1553-1560, 2008.

RODRÍGUEZ-FLORES, S.; ESCUDERO, O.; SEIJO, M.C. Characterisation and antioxidant capacity of sweet chestnut honey produced in North-West Spain. Journal of Apicultural Science, v.60, p.19-30, 2016.

RU, Q.M.; FENG, Q.; HE, J.H. Risk assessment of heavy metals in honey consumed in Zhejiang province, Southeastern China. Food and Chemical Toxicology, v.53, p.256-262, 2013.

SANTOS, A. B.; MOURA, C. L.; CAMARA, L. B. Determinação da autenticidade dos méis vendidos nas feiras livres e comércios populares. Brazilian Educational Technology: research and learning v. 2, n. 3, p. 135-147, 2011.

SARRUGE, J.R.; HAAG, H.P. Análises químicas em plantas. Piracicaba: Esalq, p.56, 1954.

SCHLABITZ, C.; SILVA, S.A.F.; SOUZA, C. F.V. Avaliação de parâmetros físico-químicos e microbiológicos em mel. Revista Brasileira de Tecnologia Agroindustrial, v. 4, p.80-90, 2010.

SECRETARIA DE AGRICULTURA E ABASTECIMENTO - INSTITUTO DE ECONOMIA AGRÍCOLA (IEA). Estatísticas da Produção Paulista. 2016. Disponível em: < http://ciagri.iea.sp.gov.br/nia1/subjetiva.aspx?cod_sis=1&idioma=1 >. Acesso em: 12 junho. 2018.

SILVA, L.R.; VIDEIRA, R.; MONTEIRO, A.P.; VALENTÃO, P.; ANDRADE, P.B. Honey from Luso region (Portugal): Physicochemical characteristics. Microchemical Journal, v.93, p.73-77, 2009.

VILHENA, F.; ALMEIDA-MURADIAN, L. B. Manual de análises físico-químicas do mel. APACAME, v.16, 1999.

VANHANEN, L.P.; EMMERTZ, A.; SAVAGE, G.P. Mineral analysis of mono-floral New Zealand honey. Food Chemistry, v.128, p.236-240, 2011.

WELKE, J. E.; REGINATTO, S.; FERREIRA, D.; VICENZI, R.; SOARES, J.M. Caracterização físico-química de méis de Apis mellifera L. da região noroeste do estado do Rio Grande do Sul. Ciência Rural, v. 38, n. 6, p. 1737-1741, 2008.

ZAR, J.H. Biostatistical analysis: Pearson new international edition. Pearson Higher Ed, 2013.

ZHOU, J.; SUO, Z.; ZHAO, P.; CHENG, N.; GAO, H.; ZHAO, J.; CAO, W. Jujube Honey from China: Physicochemical Characteristics and Mineral Contents. Journal of Food Science, v.78, p.387-394, 2013.

Publicado
27-12-2018
Como Citar
Ito, E., Araújo, W., Shinohara, A., Barros, D., Camilli, M., & Orsi, R. (2018). Características físico-químicas dos méis de abelhas Apis mellifera produzidos na região do Pólo Cuesta, São Paulo, Brasil. Boletim De Indústria Animal, 75. https://doi.org/10.17523/bia.2018.v75.e1429
Seção
SISTEMA DE PRODUÇÃO E AGRONEGÓCIOS