#cancerdemama            #outubrorosa

Bulletin of Animal Husbandry
Volume: 37 - Número: 1 - Pg: 21-31 - Ano: 1980


Autores
L. B. Gamini, E. F. G. Pinheiro, F. Naufel, A. C. de F. Siqueira.


Efeitos da freqüência de ordenhas na produção e na composição do leite.
Resumo

Trinta vacas holandesas foram utilizadas num experimento com o objetivo de avaliar a influência da freqüência das ordenhas na produção quantitativa e qualitativa do leite. Foi adotado um delineamento em “switchback” para três tratamentos, com seqüências e agrupadas em cinco blocos de acordo com a data prevista de parição. A duração nos períodos experimentais foi de 21 dias cada um e os tratamentos foram: A -uma ordenha diária, B - duas ordenhas diárias e C - três ordenhas diárias. O horário das ordenhas foi o seguinte: às 6 horas para o tratamento A ;às 6 e 14 horas para o B. e às 6, 14 e 22 horas para o C. Desde o parto até que o pico da lactação fosse atingido, as vacas ficavam estabuladas das 5 ás 15 horas, recebendo silagem de milho ou capim verde picado ad libitum, mais concentrados na proporção de 1:2,5k de leite produzido e corrigido a 4% de matéria gorda. Atingido esse ponto, elas eram sorteadas para os tratamentos previstos e passavam a ficar estabuladas das 5 às 22 horas, recebendo a alimentação mencionada. Semanalmente eram tomadas amostras individuais do leite produzido para análise butirométrica, pelo método de Gerber, e para os sólidos totais através do termo lactodensímetro. Os aumentos na freqüência de ordenhas diárias de uma para duas, uma para três e duas para três resultaram em acréscimo na produção de leite e na porcentagem de matéria gorda, respectivamente, em 27.7, 46,0, 7,1 e 77, 8,6 e 4,7%. A redução da três para uma, duas para uma e três para duas ordenhas diárias causou diminuição na produção de leite e na porcentagem de matéria gorda, respectivamente, em 42,6, 28,8, 12,6 e 5,7, 4,4 e 3,7%. Essas diferenças foram estatisticamente significativas ao nível de P < 0,01. Os sólidos totais do leite não foram afetados pela mudança na freqüência de ordenhas.


Effects of frequency of milking on milk yield and composition.
Abstract

Thirty Holstein cows, five to nine years of age, were utilized to study the effects of frequency of daily milkings in quantitative and qualitative production of milk. A complete swizchback design for three treatments and six sequences with five replications was followed. Thirty days prepartum cows were blocked in groups of six and fed Com silage or chopped green grasses ad libitum plus three kg of a concentrate mixture. After parturition up to the peack of lactation Cows were kept in a stanchion barn from 5:00 AM to 3:00 PM, milked twice a day and fed same roughage of prepartum period plus concentrate at a proportion of 1:2.5kg FCM. and turned to pasture. At the end of this standardization period cows of each group were assigned randomly lo one of six sequences of daily milkings. During the experimental period of 21 days cows were housed from 5:00 AM to 10:00 PM, fed the same as the standardization period and turned back to pasture. Milking time were 6:00 AM; 6:00 AM and 2:00 PM, and 6:00 AM, 2:00 and 10:00 PM respectively for 1, 2 or 3 daily milkings. Individual samples of milk were taken weekly and analyzed for butterfat and total solids content. Increasing the number of daily milkings from 1 to 2, 1 to 3, and 2 to 3 caused increase in milk production and in the butterfat percentage of 27.7, 46.0, 7.1, and 7.7, 8.6, and 43% respectively. Reducing the number of daily milkings from 3 to 1, 2 to 1, and 3 to 2 resulted in decrease in milk yield and in the butterfat percentage of 42.6, 28.8. 12.6, and 5.7, 4.4, and 3.7% respectively. These differences were statistically significant at a level of P < 0.01 .Total solids percentages were not affected by the number of daily milking.


Íntegra (PDF)




Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir