#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

Bulletin of Animal Husbandry
Volume: 56 - Número: 1 - Pg: 89-93 - Ano: 1999


Autores
Rafael Herrera Alvarez, João Batista Pereira de Carvalho, Maria Inês de Aquino Barbosa Carvalho


Embriões retidos no oviduto como fator de variação na taxa final de recuperação após lavagem uterina de vacas superovuladas.
Resumo

De forma geral, o número de embriões recuperados após lavagem uterina de fêmeas superovuladas não corresponde ao número de corpos lúteos (CL) presentes no ovário no momento da coleta. O presente estudo objetivou avaliar a participação dos embriões retidos no oviduto na taxa final de recuperação de embriões na espécie bovina. Nos dias 8 a 12 do ciclo estral, 52 vacas mestiças foram superovuladas com duas injeções diárias de FSH-LH durante quatro dias. No terceiro dia foi aplicada uma dose luteolítica de análogo de prostaglandina F2a. Os animais em estro foram submetidos a monta natural e sete dias após a cobertura os mesmos foram abatidos e seus tratos genitais recuperados. As estruturas ovarianas (CL e folículos) foram identificadas visualmente e os úteros foram lavados com aproximadamente 100 ml de PBS adicionado de 10% soro fetal bovino, utilizando um cateter de Foley. Em seguida, os ovidutos foram lavados (no sentido das fímbrias para o istmo) utilizando-se uma agulha romba acoplada a uma seringa. Os embriões foram localizados sob a lupa binocular e avaliados morfologicamente conforme critérios da IETS. No total, foram detectados 805 CL  (media de 15,5±0,9), sendo que  49 vacas responderam com  mais de 3 CL. A taxa de recuperação de embriões, em relação ao número de CL, foi de 81,1% (653 embriões). Treze animais (25%) retiveram um ou mais embriões no oviduto, contribuindo com 4,2% (34 embriões, dos quais 10 foram considerados viáveis) do total recuperado. Considerando esses resultados, foi concluído que parte da variação na taxa de recuperação de embriões de vacas superovuladas com FSH é devida aos embriões retidos no oviduto no momento da coleta uterina.


Embryos retained in the oviduct as a factor of variation on the final recovery rate after uterus flushing in superovulated cows
Abstract

Usually, the number of embryos recovered from the uterus of superovulated cows not correspond to the number of corpora lutea (CL) presents on the ovary at time of embryo collection. The aim of this study was to evaluate if embryos retained in the oviduct could explain the low rates of embryo recovery. Fifty two crossbred cows were superovulated in the middle of the estrus cycle (days 8 to 12) with twice daily FSL-LH injections, during 4 days. On the morning of the third day the animals were given with a luteolitic dose of prostaglandin F2a analogue and mated with a bull at the induced estrous. Seven days after mating, the cows were slaughtered and the genital tract recovered for visual inspection of ovarian structures. The uterus was flushed with approximately 100 ml PBS (added of 10% bovine fetal serum), using a Foley catheter and the oviduct was injected (in the sense fimbria to isthmus) with approximately 50 ml PBS, using a needle coupled to a syringe. The embryos were searched and morphologically evaluated (following IETS criteria) under a stereoscopy. At all, 805 CL (mean 15.5±0.9) were counted, with 49 cows showing  more than 3 CL. The embryo recovery rate was 81.1% (653 embryos). Thirteen cows (25%) retained one or more embryos into the oviduct, contributing with 4.2% (34 embryos – ten of them viable embryos) from all the embryos. It was concluded that part of the variation of the embryo recovery rate from cows superovuladed with FSH may be due to the embryos retained into the oviduct.


Íntegra (PDF)




Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir