#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

Bulletin of Animal Husbandry
Volume: 59 - Número: 1 - Pg: 61-69 - Ano: 2002


Autores
Jorge Patrício González Sánchez, Cyro Ferreira Meirelles, Dorinha Miriam Silber Schmidt Vitti, Adibe L. Abdalla, Lázaro Eustáquio Borges


Alternativas para o manejo de vacas Gir e mestiças Holandês X Zebu em lactação: efeito sobre a produção de leite e reprodução
Resumo

O anestro e a fertilidade no pós-parto de vacas leiteiras são influenciados pelos processos fisiológicos da lactação e amamentação. Nas regiões do Triângulo Mineiro e Alto Paranaíba, foram testadas três modificações do manejo tradicional em rebanhos leiteiros de vacas Gir e de Holandês com Zebu. Na primeira, em vacas Girolando sob manejo convencional (dois períodos de ordenha e de amamentação diários) o intervalo parto – primeiro cio foi de 122,0 ± 56,4 dias (n = 8);  ao suprimir a ordenha e amamentação da tarde, em dias alternados, a partir do sexto dia da lactação, este intervalo foi reduzido significativamente (70,6 ± 19,6 dias; n= 9). A segunda modificação foi testada em vacas Holandês X Zebu, que foram inseminadas no segundo cio pós-parto, verificando-se fecundação de 88,9% e período de serviço de 157,8 dias quando no intervalo entre o primeiro e o segundo cio pós-parto permaneceram com o bezerro “ao pé”, após a ordenha da manhã, até o final da tarde (n = 10);  fecundação de 70,0% e período de serviço de 161,3 dias, quandonesse intervalo entre cios foram suprimidas a ordenha e amamentação da tarde (n = 10); e fecundação de 50,0% e  período  de serviço de 205,5 dias, quando nesse intervalo entre cios foram mantidos os dois períodos de ordenha e amamentação diários (n = 9). A terceira modificação foi testada em  vacas Gir leiteiro e Girolando que haviam manifestado cios anteriromente, suspendendo-se a ordenha e a amamentação da tarde, durante a primeira (T1) ou segunda (T3)  semana de ciclo  estral. No final desses  períodos de ordenha única, em   todos  os  animais aplicou-se uma   sub-dose   de   prostaglandina   sintética. Nos respectivos lotes de controle, foram mantidos os dois períodos de ordenha e amamentação diários, com aplicações equivalentes de prostaglandina (T2 e T4). Nesses lotes (T1, T3, T2 e T4), as incidências de cio foram iguais a 75% (n = 12), 67% (n = 6), 40% (n = 5) e 40% (n = 5);  os intervalos entre o dia da aplicação da prostaglandina e o cio foram de 4,4, 2,0, 5,5 e 4,5 dias, respectivamente. Nos três experimentos foram avaliados o peso e a condição corporal, o controle leiteiro e as infeções mamárias. A incidência de mamites foi maior no grupo das vacas em fases avançadas de lactação que temporariamente deixaram de ser ordenhadas à tarde. Concluiu-se então que os artifícios de manejo apresentados, podem ser úteis do ponto de vista reprodutivo; sendo entretanto necessária a verificação prévia dos problemas sanitários e prazos menores de aplicação.


Changes on offspring/dam relationship, for improving reproductive performance in Gir and Holstein X Zebu dairy cows
Abstract

Postpartum anestrous and fertility of dairy cows are influenced by physiological processes of lactation and suckling. In the Triângulo Mineiro and Alto Paranaiba regions were tested three modifications of traditional management in milking Gir herds and crossbred herds. In the first one, the postpartum interval to first estrus of  Girolando (Holstein x Gir) cows was equal to 122 ± 56.4 days (n= 8) under conventional management (two daily periods of milking and suckling); this interval was significatively shortened (70.6 ± 19.6 days; n= 9) when supressed milking and suckling in the afternoon, of alternated days, from the sixth day of lactation forward. The second modification were tested in Hostein X Zebu crossbred females, that were inseminated during the second postpartum estrus, verifying fecundation of 88.9% and service period of 157.8 days when in the interval between the fist and second estrus cows remained together with the calf, after milking made at morning, until the evening (n= 10); fecundation of 70.0% and service period of 161.3 days, when cows were non-milked nor sucled in the afternoon (n= 10); and fecundation of 50.0% and service period of 205.5 days, when cows were milked and suckled, twice a day (n= 9). The third modification were made in Gir and Girolando females that showed  previously at least one behavioral estrus, suppressing milking and suckling periods in the afternoon, during first (T1) or second (T3) week of the estrous cycle. In the last day of these unique milking period, in all animals was injected one subdose of synthetic prostaglandin. In the respective control groups, milking and suckling were maintained, twice a day, and injected prostaglandin in the same way of experimental treatments (T2, T4). In these groups (T1, T3, T2 and T4), the incidence of synchronized estrus was equal to 75% (n= 12), 67% (n= 6), 40% (n=5) and 40% (n= 5), and the interval from prostaglandin aplication to synchronized estrus, 4.4, 2.0, 5.5 and 4.5 days, respectively. In the three experiments, data about cows weight , corporal condition, production levels and mamitis, were evaluated. The incidence of mamitis were higher in one group of cows that were, temporarily, not milked during afternoon, in advanced periods of lactation. It was concluded that these alternative practices of management may be useful for reproductive performance, but it is necessary to verify,  previously,  sanitary  problems and time of usage.


Íntegra (PDF)




Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir