#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

Bulletin of Animal Husbandry
Volume: 59 - Número: 2 - Pg: 137-145 - Ano: 2002


Autores
Patrícia Sarmento, Francisco Antonio Monteiro, Moacyr Corsi, Pelerson Furlan Schiavuzzo, Renata Rodrigues Vidal


Diagnose nutricional com relação à toxicidade por manganês nos cultivares crioula e xai 32 de alfafa
Resumo

O trabalho objetivou contribuir na caracterização da nutrição e na descrição dos sintomas de toxicidade por manganês nos cultivares Crioula e XAI 32 de alfafa; avaliar a produção de massa seca da parte aérea e de raízes, bem como a composição mineral da parte aérea, em experimento com cinco doses de manganês (0,5; 2,5; 5,0; 15,0 e 30,0 mg L-1) em solução nutritiva. As plantas tiveram dois períodos de crescimento. Os sintomas de toxicidade por manganês foram caracterizados pelo amarelecimento das bordas da parte adaxial das folhas maduras, arroxeamento das bordas da parte abaxial, pontos necróticos nas bordas e encurvamento das folhas para baixo. Não houve variação significativa na produção de massa seca da parte aérea e das raízes com as doses de manganês, mas ocorreu aumento nas concentrações de manganês e de magnésio na parte aérea da planta de 28 mg kg-1 e 4,86 g kg-1 para 194 mg kg-1 e 6,36 g kg-1, respectivamente, e diminuição na concentração de ferro na parte aérea de 156 para 131 mg kg-1. Não houve variação entre os cultivares com relação à produção de massa seca, às concentrações de magnésio, cobre, zinco, ferro e manganês na parte aérea; porém, observou-se mais elevada concentração de fósforo na parte aérea do cultivar Crioula (1,92 g kg-1) em relação ao XAI 32 (1,55 g kg-1), no primeiro corte e na dose de manganês de 15 mg L-1. Detectou-se mais elevada concentração de cálcio na parte aérea do cultivar XAI 32 (2,99 g kg-1) do que o cultivar Crioula (2,33 g kg-1).


Nutritional diagnosis of manganese toxicity in crioula and xai 32 alfafa cultivars
Abstract

The objectives of this study were: (i) to characterize the nutrition of Crioula and XAI 32 alfalfa cultivars, as well as to describe the toxicity symptoms of such cultivars to manganese; (ii) to evaluate the dry mass production by the plant top and roots, as well as the mineral composition of the top part of plants grown in nutrient solution at rates of manganese (0.5, 2.5, 5.0, 15.0 and 30.0 mg L-1). Plants had two growth periods. The toxicity symptoms to manganese were characterized by the yellowing of the adaxial borders of mature leaves, purpling of the abaxial borders, necrotic spots in the borders and downward cupping. There was no significant variation in the dry mass production by the plant top and roots as a function of the manganese rates. However, there were increases in manganese and magnesium concentrations in the plant top from 28 to 194 mg kg-1 and from 4.86 to 6.36 g kg-1, respectively. For iron concentration in the plant top, there was a decrease from 156 to 131 mg kg-1. No differences between cultivars were observed for the dry mass production and for concentrations of magnesium, copper, zinc, iron and manganese in the alfalfa’s top part. On the other hand, a higher phosphorous concentration was observed in the top part of the Crioula cultivar (1.92 g kg-1) when compared to the XAI 32 cultivar (1.55 g kg-1) in the first harvest and at manganese rate of 15 mg L-1. Calcium concentration was higher in the top part of the XAI 32 cultivar (2.99 g kg-1) when compared to the Crioula cultivar (2.33 g kg-1).


Íntegra (PDF)




Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir