#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

PUBLICAÇÕES >> Dissertações de Mestrado
Levedura ativa (Saccharomyces cerevisiae) na dieta de cordeiros em terminação

Autores
Juliano Issakowicz

Resumo

RESUMO:

Em ruminantes, a procura por aditivos alternativos que melhorem a utilização dos nutrientes e, ao mesmo tempo, diminua os riscos de contaminação da carne e do meio ambiente, favorecem um sistema de produção animal sustentável e ecologicamente correto. O objetivo do presente trabalho foi avaliar a suplementação com levedura ativa (Saccharomyces cerevisiae) em dietas com diferentes proporções de ração concentrada sobre o desempenho, as características de carcaça, o perfil metabólico e o comportamento ingestivo de cordeiros em fase de terminação. Este estudo foi conduzido na Unidade de Ovinos do Instituto de Zootecnia em Nova Odessa-SP, no período de 01 de outubro a 12 de dezembro de 2009. Foram utilizados 24 cordeiros da raça Texel com peso vivo inicial de 18,0 kg ± 1,14 kg e idade média inicial de 70 dias, mantidos em baias individuais suspensas com piso de madeira ripado medindo 1,5 m2, localizadas em galpão coberto, com comedouro, bebedouro e cocho para mistura mineral. Os animais foram alimentados com dietas a base de feno e ração concentrada em duas proporções (80 ou 60%), suplementadas ou não com levedura ativa. O delineamento experimental adotado foi em blocos ao acaso, em esquema fatorial do tipo 2x2 (duas proporções de ração concentrada com presença ou ausência de levedura ativa). Na avaliação de desempenho a suplementação com levedura ativa não afetou significativamente o CMS, a CA, o GMD, o GPT e o PVf, entretanto, na dieta com maior proporção de ração concentrada houve melhora significativa destas variáveis. Na avaliação de carcaça, a suplementação com levedura ativa aumentou o PCF e o CCE e não afetou o RCF, o ICC, o CP, o PP, a PTE, a CQ, a relação PP/CP e as notas de CGS e CONF. A dieta com maior proporção de ração concentrada (80%) melhorou de forma significativa o PCF, o ICC, o CCE, a PTE e a CQ, e não alterou o RCF, as notas de CGS e CONF, o CP, o PP, e a relação CP/PP. Na avaliação do perfil metabólico, a suplementação com levedura ativa diminuiu o nível plasmático de lactato, não afetou o nível plasmático de glicose e somente reduziu o nível sérico de ureia em dietas com altas proporções de ração concentrada. O nível plasmático de glicose e lactato não foram afetados pela proporção de ração concentrada. A suplementação com levedura ativa não melhorou as dimensões do lombo (M. Longissimus dorsi) e a EGS obtidas na carcaça e por ultrassonografia. A maior proporção de ração concentrada aumentou as dimensões do lombo e não afetou a EGS mensuradas por ultrassonografia. Na avaliação do comportamento ingestivo, a dieta com maior inclusão de ração concentrada apresentou menores tempos despendidos para ingestão e ruminação e maior tempo em ócio. A presença da levedura ativa na dieta aumentou o tempo de ruminação e não alterou os tempos de ingestão e ócio. A suplementação com levedura ativa melhorar o peso da carcaça fria, o comprimento da carcaça, diminui o nível plasmático de lactato e o nível sérico de ureia e provoca aumento no tempo de ruminação. Dietas com 80 % de ração concentrada aumentam substancialmente o desempenho e resultam em carcaças de melhor qualidade, sem afetar os níveis plasmáticos de glicose e lactato.


Palavras-chave: Carcaça, desempenho, ração concentrada, suplementação.

Íntegra (PDF)


Veja todas as publicações



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir