#NovembroAzulOficial            #NovembroAzul

PUBLICAÇÕES >> Dissertações de Mestrado
Diagnóstico de toxoplasmose ovina através de imunoensaios

Autores
Débora Cavallaro Machado

Resumo

A toxoplasmose, uma das principais zoonoses do mundo, causada pelo Toxoplasma gondii, pode ser adquirida por humanos através do consumo de alimentos contaminados pelo parasita. A forma congênita ocorre quando mulheres são expostas ao parasita durante a gestação, podendo ocorrer aborto, nascimento de crianças com cegueira, hidrocefalia e atraso no desenvolvimento mental. Em pacientes imunodeprimidos a toxoplasmose pode se tornar irreversível. Ovinos portadores da doença causam problemas econômicos, reprodutivos e tornam-se transmissores potenciais da doença, quando suas carnes cruas ou mal cozidas são ingeridas contendo cistos do parasita. Logo, faz-se necessário o diagnóstico da doença em rebanho ovino, que pode ser realizado através de imunoensaios como o ensaio imunoenzimático (ELISA) e a reação de imunofluorescência indireta (RIFI). Este trabalho teve como objetivo comparar e estabelecer a concordância entre kits comerciais de ELISA e RIFI para diagnóstico de toxoplasmose ovina e avaliar a frequência de anticorpos anti- IgG de Toxoplasma gondii no rebanho ovino do Instituto de Zootecnia de Nova Odessa (IZ). Foram analisados 172 ovinos, das raças Morada Nova e Santa Inês, com diferentes idades e mesmo manejo. Amostras de sangue total foram colhidas pela punção da veia jugular e centrifugadas para obtenção do soro a ser analisado. O teste de ELISA indireto (IDEXX – Toxoplasma gondii Antibody Test Kit – Suiça) foi realizado segundo protocolo do fabricante e a interpretação dos resultados foi obtida pela leitura da DO (Densidade Óptica) em espectrofotômetro. O RIFI indireto (Imunoteste Toxoplasma (RIFI) – Imunodot - Brasil) foi realizado conforme fabricante e a interpretação dos resultados realizada visualmente em microscópio de imunofluorescência Zeiss Axion, com isotiocianato de fluoresceina como fluorocromo. A prevalência de anticorpos anti- T. gondii foi de 16,86% (ELISA) e 21,51% (RIFI) para o rebanho ovino do IZ, com sensibilidade de 77,70%, especificidade de 99,25%, valor preditivo positivo 96,55%, valor preditivo negativo 94,36% e concordâcia Kappa de 0,83 (IC 1,0 – 0,796) entre os testes. A concordância Kappa entre os dois imunoensaios foi quase perfeita, podendo sugerir os dois testes para diagnóstico de toxoplasmose ovina, sendo o ELISA para triagem de amostras e RIFI como teste de confirmação. Não foram encontrados diferenças significativas para as raças e idades dos animais (P < 0,05) avaliados a 95% no teste exato de Fisher.

Palavras-chave: ELISA, Imunofluorescência, Toxoplasma gondii, ovinocultura.

Íntegra (PDF)


Veja todas as publicações



Envie a um amigo

Adicione ao Favoritos

Imprimir